Crasy Júlio Iglecias- Youtub ( Aperte que toca).

Loading...

sábado, 22 de outubro de 2011

PAI NOSSO-Autoria: “ Um Ser de Luz ”





PAI NOSSO( Espirita)

Pai Nosso que estais no céu, na terra, em todos os mundos espirituais.
Santificado e Bendito seja sempre o Vosso Nome, mesmo quando a dor e a desilusão ferirem nosso coração.
Bendito Sejas.
O pão nosso de cada dia, dai-nos hoje.
Pai, dai-nos o pão que revigora as forças físicas, mas dai-nos também o pão para o espírito.
Perdoai as nossas ofensas, mas ensinai-nos antes a merecer o Vosso perdão, perdoando aqueles que tripudiam sobre nossas dores, espezinham nossos corações e destroem nossas ilusões.
Que possamos perdoá-los, não com os lábios e sim com o coração.
Afastai de nosso caminho todo sentimento contrário a caridade. .
Que este Pai Nosso seja dadivoso para todos aqueles que sofrem como espíritos encarnados ou desencarnados.
Que uma partícula deste Pai Nosso vá até os cárceres onde alguns sofrem merecidamente, mas outros pelo erro judiciário.
Que vá até os hospícios iluminando os cérebros conturbados que ali se encontram.
Que vá até os hospitais, onde muitos choram e sofrem sem o consolo da palavra amiga.
Que vá a todos aqueles que neste momento transpõem o pórtico da vida terrena para a espiritual, para que tenham um guia e o Vosso perdão.
Que este Pai Nosso vá até os lupanaranes e erga as pobres e infelizes criaturas que para ali foram tangidas pela fome, dando-lhes apoio e fé.
Que vá até o seio da Terra onde o mineiro está exposto ao fogo do grizu e que ele, findo o dia, possa voltar ao seio de sua família.
Que este Pai Nosso vá até os dirigentes das nações para que evitem a guerra e cultivem a paz.
Tende piedade dos órfãos e viúvas.
Daqueles que até esta hora n ão tiveram uma côdea de pão
Tende compaixão dos navegadores dos ares.
Dos que lutam com os vendavais no meio do mar bravio.
Tende piedade da mulher que abre os olhos do ser à vida.
E que a Paz e a Harmonia do Bem fiquem entre nós e estejam com todos.
Assim seja.

Autoria: “ Um Ser de Luz ”

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Dicionário Gaúcho Por Geraldo Bond em ALEGRETENSES DESGARRADOS ·






Dicionário Gaúcho


A
Abichornado : adj. Aborrecido, triste, desanimado.
Abrir cancha : Abrir espaço para alguém passar.
A cabresto : Conduzido pelo cabresto; submetido.
Achego : Amparo, encosto, proteção.
Açoiteira : Parte do relho ou rebenque, constituída de tira ou tiras de couro, trançadas ou justapostas, com a qual se castiga o animal de montaria ou de tração.
Acolherar : Unir dois animais por meio de uma pequena guasca amarrada ao pescoço; Unir, juntar, com relação a pessoas.
Afeitar : Cortar a barba.
Agregado : Pessoa pobre que se estabelece em terras alheias, com autorização do respectivo dono, sem pagar arrendamento, mas com determinadas obrigações, como cuidar dos rebanhos, ajudar nas lidas de campo e executar outros trabalhos.
Água -Benta : Cachaça, destinada a ser bebida ocultamente.
Água-de-cheiro : Perfume, extrato.
A laço e espora : Com muita dificuldade, com muito esforço, vencendo grandes obstáculos.
A la cria : Ao Deus-dará, à aventura. Foi-se a la cria, significa foi-se embora, foi-se ao Deus-dará, caiu no mundo. Alambrado: Aramado. Cerca feita de arame para manter o gado nas invernadas ou potreiros.
A la pucha : Exprime admiração, espanto.
À meia guampa : Meio embriagado, levemente ébrio.
Anca : Quarto traseiro dos quadrúpedes. Garupa do cavalo. O traseiro do vacum.
Anta : Pessoa interesseira.
Aporreado : Cavalo mal domado, indomável, que não se deixa amansar. Aplica-se, também ao homem rebelde.
Arapuca : Armadilha para pegar passarinhos; Trapaça.
Arrastar a asa : Paquerar.
Arreios : Conjunto de peças com que se arreia um cavalo para montar.

B


Badana : Pele macia e lavrada que se coloca, na encilha do cavalo de montaria, por cima dos pelegos ou do coxonilho, se houver.
Bagual : Cavalo manso que se tornou selvagem. Reprodutor, animal não castrado.
Baixeiro : Espécie de lã, integrante dos arreios, que põe no lombo do cavalo, por baixo da carona.
Bater as botas : Morrer.
Bicheira : Ferida nos animais, contendo vermes depositados pelas moscas varejeiras. Para sua cura, além de medicação, são largamente utilizadas as simpatias e benzeduras.
Bidê : Mesinha de cabeceira. (Aportuguesado do francês bidet).
Biriva : Nome dado aos habitantes de Cima da Serra, descendentes de bandeirantes, ou aos tropeiros paulistas, os quais geralmente andavam em mulas e tinham um sotaque especial diferente do da fronteira ou da região baixa do Estado. Var.: beriva, beriba, biriba.
Bóia : Comida

Bombear : olhar
Bolicho : Casa de negócios de pequeno sortimento e de pouca importância. Bodega.
Bolicheiro : Dono de bolicho.
Braça-de-Sesmaria : Media antiga, de superfície, usada no Rio Grande do Sul. A braça-de-sesmaria mede 2,20 m por 6.600 m ou seja 14.520 metros quadrados
.
Buenacha : Boa.

C
Cabresto : Peça de couro que é apresilhada ao buçal para segurar o cavalo ou o muar.
Cachaço : s. Porco não castrado, barrasco, varrão.
Cacho : A cola, o rabo do cavalo.
Cagaço : Grande susto, medo.
Cambicho : Apego, paixão, inclinação irresistível por uma mulher.
Campo de Lei : Campo de ótima qualidade.
Capão : Diz-se ao animal mal capado; Indivíduo fraco, covarde, vil; Pequeno mato isolado no meio do campo.
Capataz : Administrador de uma estância ou de uma charqueada. Pessoa que nas lides pastoris, é incumbida de chefiar o pessoal.
Carboteiro(a) : Alguém difícil, que não dá bola.
Carreira : Corrida de cavalos, em cancha reta. Quando participam da carreira mais de dois parelheiros, esta toma o nome de penca ou califórnia.
Caudilho : Chefe militar ; Manda-chuva.
Cavalo de Lei : Animal muito veloz, capaz de percorrer duas quadras (264m) em 16 segundos ou menos.
Chalana : Embarcação ou Lancha grande e chata.
Chambão : Otário.
Charla : Conversa.
Chasque : Recado; Mensagem.
Chimango : Alcunha dada no Rio Grande do Sul aos partidários do governo na Revolução de 1929.
China : Descendente ou mulher de índio, ou pessoa de sexo feminino que apresenta alguns dos traços característicos étnicos das mulheres indígenas; Cabloca, mulher morena; Mulher de vida fácil; Esposa.
Chinoca : Mulher.
Cincha : Peça dos arreios que serve para firmar o lombilho ou o serigote sobre o lombo do animal.
Colhudo : Cavalo inteiro, não castrado. Pastor.; Figuradamente, diz-se do sujeito valente, que enfrenta o perigo, que agüenta o repuxo.
Credo : Exclamação de espanto.
Cuiudo : O mesmo que colhudo.
Cupincha : Companheiro, amigo.
Cusco : Cão pequeno, cão de raça ordinária. O mesmo que guaipeca, guaipé.

D
Daí Tchê : Oi.
Daga : Adaga, facão.
De vereda : Imediatamente, de momento, de uma vez.
Dobrar o cotovelo : Beber, levantar o copo à boca.
Doma : Ato de domar. Ato de amansar um animal xucro.
Domador : Amansador de potros. Peão que monta animais xucros.
Duro de boca : Diz-se do animal que não obedece à ação das rédeas.
Duro de Pealar : Difícil de fazer, trabalhoso.

E
Embretado : Encerrado no brete.; Metido em apertos, apuros ou dificuldades; enrascado, emaranhado.
Entrevero : Mistura, desordem, confusão de pessoas, animais ou objetos.
Erva-Caúna : Variedade de erva mate de má qualidade, amarga.
Erva-Lavada : Erva já sem fortidão por ter servido para muitos mates.
Estar com o diabo no corpo : Estar furioso. Estar insuportável.
Estar com o pé no Estribo : Estar prestes a sair.
Estrela-Boieira : Estrela d´alva.
Estribo : Peça presa ao loro, de cada lado da sela, e na qual o cavaleiro firma o pé.
Estropiado : Diz-se o animal sentido dos cascos, com dificuldade de andar, em conseqüência de marchas por estradas pedregosas.

F
Facada : Pedido de dinheiro feito por indivíduo vadio, incapaz de trabalhar, que não pretende restituí-lo.
Facho : O ar livre. Usado na expressão sair do facho.
Fatiota: Terno; Conjunto de roupas do homem: calça, colete e paletó.
Fiambre : Alimento para viagem, geralmente carne fria, assada ou cozida.
Fazer a viagem do corvo : Sair e demorar muito a regressar.
Flete : Cavalo bom e de bela aparência, encilhado com luxo e elegância.
Funda : Estilingue, bodoque.

G
Gadaria : Porção de gado, grande quantidade de gado, o gado existente em uma estância ou em uma invernada.
Gado chimarrão : Gado alçado, xucro, sem costeio.
Galpão : Construção existente nas estâncias, destinadas ao abrigo de homens e de animais; O galpão característico do Rio Grande do Sul é uma contrução rústica, de regular tamanho, em geral de madeira bruta e parte de terra batida, onde o fogo de chão está sempre aceso. Serve de abrigo e aconchego à peonada da estância e a qualquer tropeiro ou gaudério que dele necessite.
Gato : Bebedeira, porre, embriaguez.
Gaudério : Pessoa que não tem ocupação séria e vive à custa dos outros, andando de casa em casa; Parasita ; Amigo de viver à custa alheia.
Graxaim : Guaraxaim, sorro, zorro. Pequeno animal semelhante ao cão, que gosta de roer cordas, principalmente de couro cru e engraxadas ou ensebadas, e de comer aves domésticas. Sai, geralmente, à noite. É muito comum em toda a campanha.
Gringo : Denominação dada ao estrangeiro em geral, com exceção do português e do hispano-americano.
Guaiaca : Cinto largo de couro macio, às vezes de couro de lontra ou de camurça, ordinariamente enfeitado com bordados ou com moedas de prata ou de ouro, que serve para o porte de armas e para guardar dinheiro e pequenos objetos.
Guaipeca : Cão pequeno, cusco, cachorrinho de pernas tortas, cãozinho ordinário, vira-lata, sem raça definida. Pequeno, de minguada estatura. ; Aplica-se, também, às pessoas, com sentido depreciativo.
Guapo : Forte, vigoroso, valente, bravo.
Guasca : Tira, corda de couro cru, isto é, não curtido; Homem rústico, forte, guapo, valente.
Guasqueaço : Pancada, golpe dado com guasca. Relhaço, relhada, chicotada, chibatada, correada, açoite.
Guri : Criança, menino, piazinho, serviçal para trabalhos leves nas estâncias.

H
Há Cachorro na Cancha : Significa que há alguma coisa atrapalhando a execução de determinado plano.
Haraganear : Andar solto o animal por muito tempo, sem prestar serviço algum.

I
Invernada : Grande extensão de campo cercado. Nas estâncias, geralmente, há diversas invernadas: para engordar, para cruzamento de raças, etc.
Iguaria : Culinária.

J
Juiz : Pessoa que julga a chegada dos parelheiros, nas carreiras, em cada laço. O mesmo que julgador.
Jururu : Cabisbaixo, tristonho, abatido.

L
Lábia : Habilidade de conversa.
Lambe esporas : Indivíduo bajulador; leva e traz.
Lasqueado : Trouxa.
Légua : Medida itinerária equivalente a 3.000 braças ou 6.600 metros. O mesmo que légua de sesmaria.

M
Macanudo : Designa alguém bonito ou algo legal.
Maleva : Bandido, malfeitor, desalmado; Cavalo infiel, que por qualquer coisa corcoveia.
Maludo : Cavalo inteiro, garanhão. Diz-se do animal com grandes testículos.
Mangueira : Grande curral construído de pedra ou de madeira, junto à casa da estância, destinado a encerrar o gado para marcação, castração, cura de bicheiras, aparte e outros trabalhos.
Manotaço : Pancada que o cavalo dá com uma das patas dianteiras, ou com ambas; Bofetada, pancada com a mão dada por pessoa.

N
Negrinho : Designação carinhoso que se dá a crianças ou a pessas que se tem afeição.
Num Upa : Num abrir e fechar de olhos; De golpe; Rapidamente.

O
Oigalê : Exprime admiração, espanto, alegria.
Orelhano : Animal sem marca, nem sinal.

P
Paisano : Do mesmo país; Amigo, camarada.
Palanque : Esteio grosso e forte cravado no chão, com mais de dois metros de altura e trinta centímetros aproximadamente de diâmetro, localizado na mangueira ou curral, no qual se atam os animais, para doma, para cura de bicheiras ou outros serviços.
Papudo : Indivíduo que tem papo. Balaqueiro, jactancioso, blasonador. O termo é empregado para insultar, provocar, depreciar, menosprezar outra pessoa, embora esta não tenha papo.
Passar um pito : Repreender, descompor, passar um sermão.
Patrão : Designação dada ao presidente de Centro de Tradições Gaúchas (CTG).
Patrão-Velho : Deus.
Pelea : Peleja, pugilato, contenda, briga, rusga, disputa, combate.
Pelear : Brigar, lutar, combater, pelejar, teimar, disputar.
Petiço : Cavalo pequeno, curto, baixo.
Piá : Menino, guri, caboclinho.
Piquete : Pequeno potreiro, ao lado da casa, onde se põe ao pasto os animais utilizados diariamente.
Poncho : Espécie de capa de pano de lã, de forma retangular, ovalada ou redonda, com uma abertura no centro, por onde se enfia a cabeça. É o agasalho tradicional do gaúcho do campo. Na cama de pelegos, serve de coberta. A cavalo, resguarda o cavaleiro da chuva e do frio.
Potrilho : Animal cavalar durante o período de amamentação, isto é, desde que nasce até dois anos de idade. Potranco, potreco, potranquinho.

Q
Que Tal? : Tudo bem?.
Queixo-Duro: Cavalo que não obedece facilmente a ação das rédeas.
Quero-Mana : Denominação de antigo bailado campestre, espécie de fandango. Canto popular executado ao som de viola.
Quero-Quero : Passaro protetor das fazendas, diz que a cada pessoa ou animal estranho ao campo que aparece ele canta para avisar o gaúcho.

R
Rebenque : Chicote curto, com o cabo retovado, com uma palma de couro na extremidade. Pequeno relho.
Regalo : Presente, brinde.
Relho : Chicote com cabo de madeira e açoiteira de tranças semelhantes a de laço, com um pedaço de guasca na ponta.
Reponte : Ato de tocar por diante o gado de um lugar para o outro.
Repontar : Tocar o gado por diante de um lugar para outro.

S
Sair Fedendo : Fugir à disparada.
Sanga : Pequeno curso d'água menor que um regato ou arroio.
Selin : Sela própria para uso da mulher.
Sesmaria : Antiga medida agrária correspondente a três léguas quadradas, ou seja a 13.068 hectares. São 3000 por 9000 braças; ou 6.600 por 19.800 metros; ou ainda, 130.680.000 metros quadrados
.
Soga : Corda feita de couro, ou de fibra vegetal, ou ainda de crina de animal, utilizada para prender o cavalo à estaca ou ao pau-de-arrasto, quando é posto a pastar. Corda de couro torcido ou trançado, que liga entre si as pedras das boleadeiras. ; O termo é usado também em sentido figurado.
Surungo : Arrasta pé, baile de baixa classe, caroço.


T
Taco : Diz-se ao indivíduo capaz, hábil, corajoso. guapo.
Taipa : Represa de leivas, nas lavouras de arroz. Cerca de pedra, na região serrana.
Taita : Indivíduo valentão, destemido, guapo.
Tala : Nervura do centro da folha do jerivá. Chibata improvisada com a tala do jerivá ou com qualquer vara vlexivel.
Talagaço : Pancada com tala. Chicotaço.
Talho : Ferimento.
Tapera : Casa de campo, rancho, qualquer habitação abandonada, quase sempre em ruínas, com algumas paredes de pé e algum arvoredo velho. Diz-se da morada deserta, inabitada, triste.
Tchê : Meu, principalmente referindo-se a relações de parentesco. (Veja mais em Tradicionalismo)
Tirador : Espécie de avental de couro macio, ou pelego, que os laçadores usam pendente da cintura, do lado esquerdo, para proteger e o corpo do atrito do laço. Mesmo quando não está fazendo serviços em que utilize o laço, o homem da fronteira usa, freqüentemente, como parte da vestimenta, o seu tirador, que por vezes é de luxo, enfeitado com franjas, bolsos e coldre para revólver.
Tosa : Tosquia, toso, esquila.
Tradição Gaúcha : Vocábulos usados no plural, significando o rico acervo cultural e moral do Rio Grande do Sul no campo literário, folclórico, musical, usanças, adagiário, artesanato, esportes e atividades culturais.
Tranco : Passo largo, firme e seguro, do cavalo ou do homem.
Tramposo : Intrometido, trapaceiro, velhaco.
Trem : Sujeito inútil.
Três-Marias : Boleadeiras.
Tronqueira : Cada um dos grossos esteios colocados nas porteiras, os quais são providos de buracos em que são passadas as varas que as fecham.
Tropeiro : Condutor de tropas, de gado, de éguas, de mulas, ou de cargueiros. Pessoa que se ocupa em comprar e vender tropas de gado, de éguas ou de mulas. Peão que ajuda a conduzir a tropa, que tem por profissão ajudar a conduzir tropas. O trabalho do tropeiro é um dos mais ásperos, pois além das dificuldades normais da lida com o gado, é feito ao relento, dia e noite, com chuva, com neve, com minuano, com soalheiras inclementes, exigindo sempre dedicação integral de quem o realiza.


U
Uma-de-pé : Uma briga, conflito, luta.


V
Vacaria : Grande número de vacas; Grande extensão de campo que os jesuítas reservavam para criação de gado bovino.
Varar : Atravessar, cruzar.
Vareio : Susto, sova, surra, repreensão.
Vaza : Vez, oportunidade.
Vil : Covarde, desanimado, fraco.
Vivente : Pessoa, criatura, indivíduo.


X
Xepa : Comida.
Xerenga : Faca velha, ordinária.
Xiru : O mesmo que chiru.
Xucro : Diz-se ao animal ainda não domado, bravio arrisco.


Z
Zarro : Incômodo, difícil de fazer, chato.
Zunir : Ir-se apressadamente.


Por Geraldo Bond em ALEGRETENSES DESGARRADOS

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Poeminha dedicado a Rachel Pucci.Saudades de Cesar





Saudades de Cesar

Hoje a saudades transborda
Escorre por meu rosto
Dói no coração
Saudades de um amor que é presente
Na vida esta ausente
Meu coração lotou
Sim
Esta cheio de você
Lembranças de dias
Horas
Sorrisos
Não me lembro de lamentos
Apenas de seu cheiro sua voz sua presença esta em mim
E assim eu suporto sua ausência, fazendo-te
Presente na caminhada
Preciso terminar a jornada
Levo-te em coração
Fica em mim.


Com carinho, Bia.

domingo, 16 de outubro de 2011

Poesia caipira de mineirinho






Amo ocê !
 Ocê é o colírio du meu ôiu.
É o chicrete garrado na minha carça dins.
É a mairionese du meu pão..
É o cisco nu meu ôiu (i no ôtro oiu - eu tenho dois).
O rechei du meu biscoito.
A masstumate du meu macarrão.
Nossinhora!
Gosdima...is da conta docê, uai.
Ocê é tamém:
O videperfume da minha pintiadêra.
O dentifriço da minha iscovdidente.
Óiprocevê, Quem tem amigossim, tem um tisôru!
Ieu guárdesse tisouro, com todu carinho ,
Du lado isquerdupeito !!!
Dentro do meu Coração!!!
AMO ocê, uai!!!
Fais favô de mandá pra tudos seus amigus du coração, incrusive eu, craro!!!
BRIGADO PELO SEU CARIN, cumqueu sempre pude contá!!!!

Se souber quem é o autor coloque créditos.